O objectivo das diretrizes (ou guidelines) é apresentar todas as evidências relevantes sobre um tema clínico em particular, a fim de ajudar os médicos a avaliar os benefícios e os riscos de um procedimento diagnóstico ou terapêutico. Elas podem ser úteis na tomada de decisão clínica diária.

NOTA: os arquivos estão disponíveis em PDF, você precisará de um leitor de pdf. Podes Baixar Adobe Reader aqui.

A endocardite infecciosa

A endocardite é a inflamação da camada interna das câmaras cardíacas e válvulas cardíacas (endocárdio). Ela é causada por uma infecção bacteriana ou, raramente, uma infecção por fungos.

Causa Factores de risco

Endocardite ocorre quando germes entram na corrente sanguínea e, em seguida, se aderem à superfície do endocárdio. Os principais factores de risco são

  • Defeitos cardíacos congênitos (prolápso da válva mitral, valva aórtica bivalvular, Tetralogia de Fallot, defeitos do septo atrial, defeitos do septo ventricular, )
  • Válvula cardíaca com (ex. acometimento reumático)
  • Prótese cardíaca
  • Histórico de endocardite
  • Transplantados do coração
  • Presença de dispositivos intracardíacos (marcapasso, CDI, etc)

A infecção bacteriana é a causa mais comum de endocardite. Endocardite também pode ser causada por fungos, tais como Candida albicans. Em alguns casos, nenhuma causa identificada.

A entrada de bactérias na corrente sanguínea ocorre usualmente através de:

  • Acesso (cateter) venoso central;
  • Uso de drogas injetáveis, através de agulhas não esterilizadas;
  • Procedimento dentário recente
  • Outras cirurgias ou procedimentos menores do trato respiratório, digestivo,  trato urinário, pele infectada, ou ossos e músculos

Sintomas

Os sintomas de endocardite podem se desenvolver insidiosamente (lentamente) ou de repente (aguda/subaguda). Os sintomas incluem febre, calafrios, sudorese, fadiga, fraqueza, e dores e dores nos músculos ou nas articulações. Outros sinais podem incluir petéquias, manchas indolores na pele das palmas das mãos e plantas dos pés (lesões de Janeway), nodos dolorosos nas pontas dos dedos das mãos e dos pés (nós de Osler), dispneia aos esforços e edemas.

Diagnóstico e exames complementares

Para além dos sintomas, a presença de um sopro novo ou a mudança em um sopro prévio pode fazer pensar em endocardite em pacientes com factores de risco. Um exame ocular (fundoscopia) pode mostrar sangramento na retina e uma área central de compensação (manchas de Roth).

Os exames complementares que podem ser feitas incluem:

  • Cultura de sangue para ajudar a identificar o agente etiológico;
  • Hemograma completo, proteína C-reativa (PCR), ou a velocidade de sedimentação de hemácias (VHS);
  • O ecocardiograma transtorácico e transesofágico permitem a identificação de vegetações, abscessos e complicações das endocardites (perfuração, insuficiência cardíaca, insuficiência valvar, etc.);
  • Electrocardiograma para avaliação do ritmo e presença de complicações (exemplo bloqueios atrioventriculares);
  • Exames de Medicina Nuclear (PET SCAN) permitem detectar processos inflamatórios intracardíacos nos casos mais difíceis;

Tratamento

O tratamento antibiótico é geralmente feito por pelo menos 4 a 6 semanas, em ambiente hospitalar (internado) e, sempre que possível, guiados pelos resultados das hemoculturas. Em alguns pacientes, tratamento pode começar no hospital e completar no domicílio.

As seguintes situações são indicações para tratamento cirúrgico com possibilidade de troca valvar por prótese:

  • Embolização sistêmica de partes de vegetação.
  • Insuficiência cardíaca por insuficiência valvar resultante da endocardite.
  • Evidência de lesões de órgãos mais grave.
  • Presença de vegetações grandes

 

Complicações

  • Abscesso cerebral
  • Abscesso perivalvar
  • Perfuração valvar
  • Bloqueio atrioventriculares
  • Insuficiência valvar
  • Insuficiência cardíaca
  • Propagação da infecção a outras partes do corpo
  • Sepse grave e choque séptico
  • Acidente vascular cerebral

Prevenção

A American Heart Association recomenda antibióticos profiláticos para as pessoas em risco para endocardite infecciosa, como aqueles com:

  • Procedimentos odontológicos que são susceptíveis de causar sangramento
  • Procedimentos que envolvem o tracto respiração
  • Procedimentos que envolvem o sistema do tracto urinário
  • Procedimentos envolvendo o trato digestivo
  • Procedimentos sobre infecções da pele e dos tecidos moles infecções

Apresentamos a seguir s principais diretrizes sobre Endocardite Infecciosa

Brasileiras

Uma diretriz importante falta nesta lista? Nos informe qual ou envie-no através do Formulário

Copyright © 2014 - 2018. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade