A A A

Risco do Paracetamol pode ter sido subestimado

Paracetamol, conhecido como acetaminofeno nos Estados Unidos, pode ter mais riscos do que se pensava inicialmente, particularmente quando tomado acima das doses terapêuticas convencionais, de acordo com uma nova revisão sistemática.

Paracetamol
Todo dia milhões de doses de paracetamol são tomadas por ano. Será que o risco não foi subestimado?

Os autores e um perito externo recomendam cautela na interpretação dos dados, pois eles são de observação na natureza e estão sujeitas a fatores de confusão não controlados. Dito isto, os autores fazem notar que as curvas de dose-resposta observados para cada resultado adverso examinado sugerem “um considerável grau de toxicidade do paracetamol, especialmente limite superior de doses de analgésicas habituais”

Emmert Roberts, do South London and the Maudsley Mental Health Trust, Maudsley Hospital, Londres, Reino Unido, e colegas apresentam suas descobertas em um artigo publicado no British Medical Journal (BMJ).

“O paracetamol é o analgésico mais usado e prescrito em todo o mundo. É o primeiro passo para o tratamento da dor segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é atualmente recomendado como terapia farmacológica de primeira linha por uma variedade de diretrizes internacionais para uma gama de condições de dor aguda e crônica”, escrevem os autores.

Objectivos e Métodos

Eles realizaram uma revisão sistemática da literatura para determinar o perfil de efeitos adversos de paracetamol no Medline e Embase a partir da data de início do Paracetamol até 01 de Maio de 2013. Eles identificaram estudos observacionais escritos em Inglês que relataram mortalidade, cardiovascular, gastrointestinal, ou eventos adversos renais em adultos na população em geral que tomaram doses analgésicas habituais de paracetamol. Em última análise, eles incluíram oito dos 1.888 estudos recuperados. Todos os estudos incluídos foram estudos de coorte.

Resultados

Tanto os estudos que examinaram o risco de mortalidade entre os adultos que tomaram paracetamol como aqueles que não avaliaram o risco, encontraram uma elevação no risco global. Em um estudo, a razão de mortalidade padronizada foi de 1,9 (intervalo de confiança [IC] de 95%, 1,88-1,94) para aqueles que tomam o medicamento. O outro estudo mostrou um risco relativo global de 1,28 (IC de 95%, 1,26-1,30), bem como um aumento em relação à taxa de mortalidade dose-dependente de 0,95 na menor exposição (0,92-0,98, IC=95%), em comparação com os não-usuários, para 1,63 na maior exposição (IC=95%, 1,58-1,68).

Dos quatro estudos que relataram eventos adversos cardiovasculares, todos encontraram uma dose-dependência, com um estudo demonstrando uma relação de maior risco de todos os eventos cardiovasculares de 1,19 com o menor exposição para 1,68 com a exposição máxima.

Um estudo que relatou eventos adversos gastrointestinais encontrou uma dose-dependência com taxa relativa de eventos adversos gastrointestinais ou sangramento aumentando de 1,11 para 1,49.

Quatro estudos relataram eventos adversos; desses, três encontraram uma dose-dependência, com um que relatou um odds ratio de 30% ou mais na redução na taxa de filtração glomerular passando de 1,40 (IC 95%, 0,79-2,48) para 2,19 (95% CI, 1,4-3,43 ).

Comentários

Visto que esta revisão da literatura foi baseada em dados observacionais de longo prazo, há muitos potenciais vieses que poderiam influenciar os resultados, por isso não podem ser chamados de dados sólidos“, disse ao Medscape Medical News o professor Philip Conaghan, MBBS, PhD, autor do estudo.

“Por exemplo, um fator de confusão que é impossível medir é o uso de medicamentos sem prescrição médica, que geralmente não são registradas e podem incluir medicamentos com efeitos colaterais significativos, como o ibuprofeno. É claro que é quase impossível obter a longo prazo dados de ensaios clínicos, pois eles geralmente não são executados por muitos anos, por isso estamos dependentes deste tipo de dados imperfeitos para explorar, a longo prazo, efeitos colaterais de drogas em potencial “, disse o Dr. Conaghan.

Implicações para a prática clínica

“A primeira coisa que os médicos devem fazer ao ler estudos como este é examinar de perto os métodos do estudo e não simplesmente contar com o Abstract ou Resumo”, observou o Dr. Hadler. “Além disso, os médicos devem perguntar-se se um paciente precisa realmente da medicação”, continuou. Embora medicamentos que não necessitem de prescrição médica sejam geralmente seguros, faz sentido para médicos e pacientes começar por medidas não medicamentosas de aliviar a dor.

Dr Conaghan concorda. Ele diz: “Primeiro eles devem avaliar se o paracetamol é necessário para um determinado paciente. Ela pode não acrescentar muito para as pessoas que já tomam outros analgésicos, tais como drogas anti-inflamatórios não-esteróides (AINE’s) ou opióides. Em segundo lugar, eles devem perguntar a seus pacientes sobre todos os seus analgésicos , incluindo pílulas não sujeitos a prescrição médica, para obter uma imagem completa do uso de analgésicos (note que os AINE’s são analgésicos também). Em terceiro lugar, eles devem estar conscientes de que as pessoas que utilizam moderadas a altas doses de paracetamol durante longos períodos de tempo podem ser mais propensos a certos efeitos colaterais que eles precisam estar atentos”.

Ele também observou que vale a pena reavaliar se a droga ainda está ajudando o paciente. “Isso pode significar interrompê-lo por um par de dias e ver se ele faz muita diferença para a sua dor Então eles tem que considerar se eles estão fazendo as medidas simples que efetivamente melhoram a dor nas articulações (se esse é o problema deles), sem efeitos colaterais. Por exemplo, exercícios de fortalecimento muscular, seguido por aumento da atividade física e perda de peso, se necessário, são medidas que melhoram a dor no joelho. Adoptar tais medidas nos actuais dias corridos é difícil, mas no final elas são mais eficazes e mais seguras do que os medicamentos”, explicou o Dr. Conaghan.


Adaptado de:

Medscape Medical News
Acetaminophen Risks May Have Been Underestimated
Troy Brown, RN

Medscape. Mar 02, 2015

Especialidades: Farmacologia , Medicina Interna , Revisão Palavras-chave: , ,

Artigo anterior

O que é TAVI?

Copyright © 2014 - 2018. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade