A A A

Africa Austral em Transição Nutricional

Um estudo recente, publicado no Proceedings of the Nutrition Society, demostrou que países da África Austral estão passando por uma verdadeira transição nutricional. Infelizmente esta mudança no perfil alimentar das populações está associada à um aumento de doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e hipertensão arterial.

O aumento do consumo de alimentos hipercalóricos está associado à um aumento na incidência de doenças cardiovasculares na população.
O aumento do consumo de alimentos hipercalóricos está associado à um aumento na incidência de doenças cardiovasculares na população.

Transição nutricional é caracterizada pela mudança para dietas altamente refinados ricos em gordura, sal e adoçantes calóricos e pobres em fibras em economias em rápido crescimento. Mudanças dietéticas ocorrem quase simultaneamente com as mudanças demográficas e epidemiológicas, urbanização e industrialização e, juntos, contribuem para o aumento da prevalência de doenças não-comunicáveis (DNC) relacionadas com a nutrição (hipertensão, diabetes, obesidade, infarto, AVC).

O surgimento da transição nutricional em países da África Austral foi examinada usando dados antropométricos, de prevalência e de consumo de alimentos. Os resultados revelam crescente prevalência de sobrepeso e obesidade nos países da África Austral, com prevalência nacional estimada entre 30 e 60%.

A prevalência do excesso de peso superior a 60% tem sido relatado, em alguns subgrupos populacionais. Também tem sido relatada a prevalência de hipertensão arterial sistêmica de pelo menos 30%. Além disso, a prevalência de sobrepeso, obesidade e hipertensão em muitos países da África Austral supera a prevalência de HIV e é muitas vezes associada ao nanismo em crianças. Assim como a baixa estatura (por desnutrição) e o HIV, as doenças crônicas não transmissíveis são igualmente graves problemas de saúde pública.

Coletivamente, as doenças não-transmissíveis relacionadas com a nutrição, são as causas de 20-31% da mortalidade no Botswana, África do Sul, Suazilândia, Moçambique e Zâmbia. Pelo menos 72% dos adultos nos países da África Austral ingerem menos porções diárias de frutas e vegetais do que o recomendado. Além disso, os adultos nestes países fazem não praticam nenhuma atividade física; 31-75% não se exercitam regularmente. Não surpreendentemente, entre 15 a 40% dos adultos nos nestes países têm pelo menos três fatores de risco de doenças cardiovasculares.

Desta forma, doenças como hipertensão, diabetes, acidente vascular cerebral e infarto cardíaco começam a superar as doenças infeciosas nos países da África Austral.

Leia artigo original (Abstract)

Africa Nutritional Epidemiology Conference (ANEC VI), Ghana Institute of Management and Public Administration, Accra. 20–25 July 2014.

Especialidades: Nutrição Palavras-chave: , , , ,

Próximo artigo

Leptospirose

Copyright © 2014 - 2021. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade