A A A

Actividade física extenuante em mulheres pode ter menos benefício que actividade moderada, sugere estudo.

Um estudo publicado no Circulation sugere que actividade física muito intensa pode ser menos benéfica, até mesmo prejudicial, quando comparada com actividade moderada.

Embora a atividade física seja geralmente associada à redução do risco de doença vascular, há evidências limitadas sobre os efeitos da frequência e duração das várias atividades sobre a incidência de determinados tipos de doença vascular.

O estudo prospectivo, tipo coorte. O seguimento começou em 1998. Em média, 1,1 milhões de mulheres sem doença vascular antes relatou a frequência de atividade física e outras características demográficas. Três anos mais tarde, elas foram questionadas sobre horas gastas em caminhadas, ciclismo, jardinagem e actividade doméstica a cada semana. Regressão de Cox foi utilizada para calcular os riscos relativos ajustados para os primeiros eventos vasculares e sua relação com a atividade física. Durante uma média de 9 anos de seguimento, 49.113 mulheres tiveram um primeiro evento de doença arterial coronariana, 17 822 tiveram um primeiro evento cerebrovascular, e 14.550 tiveram um primeiro evento tromboembólico venoso. Em comparação com as mulheres inativas, aquelas que relataram atividade moderada apresentaram um risco significativamente mais baixos de todas as três condições (P <0,001 para cada um). No entanto, as mulheres que relataram atividade física extenuante diária tiveram maior risco de doença cardíaca coronariana (p = 0,002), doença cerebrovascular (P <0,001), e eventos tromboembólicos venosos (p <0,001) do que aquelas que relataram actividade física apenas 2 a 3 vezes por semana. O risco não diferiu entre acidente vascular hemorrágico e cerebral isquêmico, ou entre os eventos tromboembólicos venosos com ou sem embolia pulmonar.

Os autores do estudo concluem que, quando comparado com o sedentarismo, a atividade física moderada está associada a um menor risco de doença cardíaca coronária, evento tromboembólico venoso e doença cerebrovascular. No entanto, entre as mulheres já activas, o aumento da frequência de actividade física não parece contribuir para uma redução do risco  de doenças vasculares.


Artigo Original

Abstract | HTML Full Text | PDF

Autores: Miranda E. G. Armstrong, MPhil (Cantab), PhD; Jane Green, BMBCh, DPhil; Gillian K. Reeves, MSc, PhD; Valerie Beral, DBE, AC, FRS; Benjamin J. Cairns, PhD;

Fonte: Circulation

(Doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.114.010296)

Especialidades: Cardiologia , Medicina Desportiva , Medicina Física e Reabilitação Palavras-chave: , , , ,

Copyright © 2014 - 2021. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade