A A A

Diretrizes para o Tratamento da Endocardite – ESC 2015

Diretrizes sobre endocardite

A Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC, sigla em inglês) publicou, recentemente, as novas diretrizes para a abordagem de pacientes com endocardite. As actuais diretrizes ou guidelines, foram publicadas no European Heart Journal e representam actualizações das anteriores diretrizes publicadas pela ESC em 2009. Váris razões foram apresentadas para que se fizessem estas actualizações: vários estudos recentes sobre endocardite, incluindo estudos randomizados em relação à cirurgia; importantes avanços em diagnósticos de imagem, particularmente na área da medicina nuclear; e divergências entre diretrizes anterior. Por outro lado, mais recentemente, surgiram novos conceitos na abordagem destes pacientes, incluindo a necessidade de uma abordagem multi-profissional – o Endocarditis Team (ou Equipe de Endocardite) – que deve incluir  clínicos gerais, cardiologistas, cirurgiões, microbiologistas, infectologistas e outros.

A seguir, são pontos-chave para se lembrar desta atualização de 2015 da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC) sobre o manuseio de endocardite infecciosa (EI):

Os pacientes com maior risco de Endocardite Infecciosa (EI) incluem aqueles com uma prótese valvar ou material protético utilizada durante o reparo da válvula, os pacientes com EI anterior, e os pacientes com cardiopatia congênita cianótica não corrigida. As diretrizes ESC recomendam o aconselhamento e pacientes de risco intermediário e alto sobre a importância da higiene dental e cutânea, mas reserva-se o uso de profilaxia antibiótica apenas para os pacientes com maior risco de EI.
A endocardite infecciosa é uma doença que exige uma abordagem colaborativa. As novas diretrizes da ESC recomendam o manejo de pacientes com EI em centros de referência por uma equipe especializada;
O diagnóstico de EI baseia-se nos critérios de Duke modificados (incluindo os critérios patológicos e critérios clínicos para o EI), e pode resultar em um diagnóstico definitivo, possível, ou descartado. Entre as modalidades de imagem, ecocardiografia (transtorácica e transesofágico) desempenha um papel fundamental no diagnóstico e no acompanhamento de pacientes com EI;
Preditores de mau prognóstico entre os pacientes com EI incluem características do paciente (idade avançada, EI em prótese valvar, diabetes, imunossupressão e debilidade), complicações clínicas da EI (insuficiência cardíaca, insuficiência renal, acidente vascular cerebral isquémico, hemorragia cerebral, choque séptico) , microorganismos específicos (Staphylococcus aureus, fungos, bacilos gram-negativos que não são do grupo HACEK) e ecocardiograma (envolvimento perianular, grave insuficiência valvar do lado esquerdo, fração de ejeção do ventrículo esquerdo baixa, hipertensão pulmonar, grandes vegetações, disfunção protética grave).

As actuais diretrizes incluem recomendações específicas para vários organismos. Algumas considerações importantes:

  • Os aminoglicosídeos (ex: gentamicina, amicacina) não são recomendados para a endocardite infecciosa de válvula nativa. Quando utilizados, eles devem ser administrados 1 vez ao dia para reduzir a nefrotoxicidade.
  • A rifampicina deve ser usado somente para endocardite em dispositivo intracardíaco (corpo estranho), e depois de 3-5 dias de tratamento antibiótico efectivo (após bacteremia eliminação de bacteremia).
  • A daptomicina e fosfomicina para EI estafilocócica e Netilmicina para endocardite por estreptococos da cavidade oral e tracto GI, sensíveis à penicilina, são considerados terapias alternativas.
  • O tratamento ideal para a endocardite estafilocócica ainda é controverso.
As principais complicações da endocardite do lado esquerdo do coração incluem insuficiência cardíaca, sepse grave e embolia sistêmica.
Incluem ainda complicações neurológicas, aneurismas infecciosos, complicações esplênicas, miocardite e pericardite, distúrbios do ritmo e da condução do coração, manifestações músculo-esqueléticas e insuficiência renal aguda.
Os dois objectivos principais da intervenção cirúrgica na EI são a remoção do tecido infectado e a reconstrução da anatomia cardíaca, incluindo a reparação ou substituição de válvulas infectadas.
Condições específicas que requerem considerações adicionais incluem a EI em prótese valvar, EI em dispositivos electrónicos implantados (marcapasso, CDI, dispositivos de assistência mecânica, etc.), EI do lado direito, EI em pacientes com doença cardíaca congênita, endocardite infecciosa durante a gravidez, e terapia antitrombótica durante EI.

A endocardite infecciosa

A endocardite é a inflamação da camada interna das câmaras cardíacas e válvulas cardíacas (endocárdio). Ela é causada por uma infecção bacteriana ou, raramente, uma infecção por fungos.

Veja as diretrizes sobre endocardite infecciosa

Leia mais sobre endocardite

Especialidades: Cardiologia , Infectologia Palavras-chave: , ,

Copyright © 2014 - 2018. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade