A A A

Pré-Eclâmpsia e Risco Futuro de Doença Aterosclerótica (Heart)

Estudo publicado na Revista Heart. O estudo de base populacional, tipo coorte, teve como objectivo avaliar a associação entre pré-eclâmpsia recorrentes e a morbidade por doença arterial aterosclerótica a longo prazo. Foram avaliadas mais de 96.000 mulheres que deram a luz nos anos entre 1988 e 2012. A variável de pré-exposição foi pré-eclâmpsia. As pacientes foram seguidas por um período médio de 11,2 anos. Para estimar a incidência cumulativas de hospitalizações por eventos cardiovasculares simples (angina pectoris) ou complexos (insuficiência cardíaca congestiva) e por morbidade renal foram usadas as curvas de sobrevida de Kaplan-Meier. Modelos de riscos proporcionais de Cox foram utilizados para estimar o Risco Relativo ajustado para a morbidade cardiovascular e renal.

Das 96 370 pacientes que preencheram os critérios de inclusão, 7824 (8,1%) foram diagnosticados pelo menos uma vez com pré-eclampsia. Os pacientes com pré-eclampsia tiveram maiores taxas de morbidade cardiovascular, incluindo por procedimento diagnóstico cardíaco não-invasivo (OR 1,4; IC 95% 1,1 a 1,7; p = 0,005) e invasivos (OR 1,7; IC95% 1,2-2,3; p = 0,001), hospitalizações por eventos cardiovasculares simples (OR 1,5, IC de 95% 1,2-1,8, p = 0,001), complexos (OR 2,4, IC de 95% 2,2-2,8, p = 0,001) e renal (OR 3,7, IC de 95% para 2,2 6,0; p = 0,001). A associação com os eventos foi tanto maior quanto maior a gravidade da pré-eclâmpsia (sem pré-eclampsia, leve pré-eclampsia, pré-eclâmpsia grave e eclâmpsia), todos com significância estatística. Da mesma forma, foi encontrada uma associação linear entre o número de gestações anteriores com pré-eclâmpsia (sem pré-eclampsia, um evento e ≥2 eventos de pré-eclâmpsia) e o risco a longo prazo de evento cardiovascular simples, complexa (1,2% vs 1,6% vs 2,2% , respectivamente; p = 0,001), doença cardiovascular complexo (1,3% versus 2,7% vs 4.6%, respectivamente; p = 0,001) e as hospitalizações cardiovasculares totais (2,7% versus 4,4% vs 6.0%, respectivamente; p = 0,001). Usando uma curva de sobrevida de Kaplan-Meier, pacientes com pré-eclampsia apresentaram maior incidência cumulativa de hospitalizações relacionadas com a aterosclerose, com significância estatística. Em um modelo de riscos proporcionais de Cox, ajustados para fatores de confusão, como idade materna, paridade, diabetes mellitus e obesidade, a pré-eclampsia se manteve como um factor de risco independente para hospitalizações por doença aterosclerótica.

Os autores concluem que gestações prévias com pré-eclampsia é um fator de risco independente a morbidade materna aterosclerótica a longo prazo . O risco é mais significativo para pacientes com episódios graves e recorrentes de pré-eclâmpsia.


Artigo Original (abstract)

Título: Long-term maternal atherosclerotic morbidity in women with pre-eclampsia

Fonte: Heart doi:10.1136/heartjnl-2014-306571

Autores: Roy Kessous, Ilana Shoham-Vardi, Gali Pariente, Ruslan Sergienko, Eyal Sheiner

 

Especialidades: Cardiologia , Ginecologia e Obstetrícia Palavras-chave:

Copyright © 2014 - 2021. Portal angomed.comTermo de Uso | Política de Privacidade